Electromiograma - EMG


    • É um importante método de exame em Neurologia, utilizado para diagnosticar doenças dos nervos e dos músculos.

    • É realizado por um médico neurologista.

    • Este sabe qual os sintomas do doente e qual a questão a que se procura responder. Isto é importante, pois o EMG não é um exame standard, sempre igual, mas sim uma técnica de pesquisa de alterações na função dos nervos e dos músculos e o médico tem que saber, pelo menos aproximadamente, o que procura e aonde.

    • À medida que o exame progride o médico interpreta os resultados e vai expandindo o exame para as regiões e para os parâmetros que mais interessam para o diagnóstico.

  • O exame normal de EMG compõe-se de três partes:

    • exame neurológico,
    • electroneurografia,
    • electromiografia.

    • No exame neurológico o médico testa os movimentos, a força e os reflexos do doente, de modo a saber quais os défices e qual as questões a responder. Esta é a parte talvez mais importante, pois a maior parte dos erros em electromiografia acontecem quando não se sabe exactamente o que se procura e aonde.

    • No exame electroneurográfico o médico testa a capacidade de resposta e de condução dos nervos (geralmente nas pernas e/ou braços), aplicando pequenos choques eléctricos nos nervos e verificando de que modo este estímulo é conduzido até aos músculos, nos quais foram colados pequenos eléctrodos, que registam a resposta do músculo à chegada de um estímulo.

    • No exame electromiográfico o médico espeta pequenas agulhas em determinados músculos, pois a função dos músculos está alterada quando a dos nervos também está. Consoante o tipo de alterações registadas, assim se pode concluir de determinadas doenças.

    • Em determinadas situações a função nervosa ainda é normal, mas a do músculo já não é. No caso de doenças dos músculos os nervos também funcionam normalmente mas os músculos estão alterados.

    • O exame é um pouco doloroso, mas normalmente as ligeiras picadas não são problema. São utilizadas agulhas muito finas (como de acupunctura) e não são aqui aplicados choques. O que se faz é registar a actividade eléctrica dos músculos. É como colocar um microfone no músculo para ouvir o que ele nos diz.